domingo, 22 de fevereiro de 2009

Apu Nahasapeemapetilon e a Cerimônia do Oscar 2009

Aviso aos navegantes: Isso não é uma resenha, ok? É a opinião totalmente parcial de alguém que matava aula nas segundas pós-oscar desde que se entende por gente e ficou totalmente perdida esse ano diante das LOUCURAS que sequer foram transmitidas pela tv aberta.

Pois então.

É um texto longo, ok? Ou você pára aqui e CORRE pra baixar no torrent pro cinema mais próximo pra assistir o tal "Quem quer ser um milionário" (Slumdog Millionaire) ou continua lendo até o final e (aposto) balançando a cabeça up & down durante TODA A LEITURA.

(...)

Tá, começamos pelo começo. Não vou falar de moda, criticas vestido de fulano, smoking de beltrano (pausa: MELDELS O QUE É HUGH JACKMAN DE BLACK TIE? /baba) nada disso. Vou falar de Academy Awards (ou do que chamaram de Academy Awards esse ano, pelo menos).

Na minha humilde e mortal opinião:
Opção 1 - TODOS OS MEMBROS DA ACADEMIA fumaram alguma erva indiana muito poderosa e quebraram TODOS OS PROTOCOLOS possíveis (not in a very good way, ok?)
Opção 2 - (...) Não há opção dois.

Sim, eu sei, não sou nenhum José Wilker (que não sabe a diferença entre edição e mixagem de som) e nem um Robens Ewald Filho (que diz coisas como "apesar de se tratar de uma comédia, esse filme é de uma carga dramática significativa" Ahn?) mas tenho lá meus conhecimentos adquiridos pela paixão avassaladora por tudo o que é audiovisual, incluindo obviamente essa coisa *leia com soaque baiano* LINDA que é o cinema. E, poxa, tô no meu direito TOTALMENTE PARCIAL de estar decepcionada!

O Oscar desse ano foi TWISTED. Tudo diferente, tudo estranho. Indicações que incluiam obras e nomes completamente aleatórios (Marisa Tomei?!!) e uma produção extrema e exageradamente comercial. O que, claro, foi agradabilíssimo aos olhos dos espectadores, "estamos no século XXI, etc etc", mas - podem me chamar de romântica - sinto falta de quando a cerimônia era realmente sobre CINEMA.

Milhões de comerciais. MILHÕES! Senti como se a ABC tivesse FALINDO e precisando desesperadamente de patrocinadores com exigências absurdas.

E tem mais: Penélope Cruz ganhou um oscar. (...) Parei aqui. Quase fui ver o filme do Mr.Bean e deixei o Oscar pra lá, mas aguentei firmemente até o fim. Penélope Cruz, gente. Penélope Cruz! Não tem Volver no mundo que apague da minha mente aquela atuação VERGONHAALHEIA dessa mulher em Vanilla Sky. E em Bandidas. E em Profissão de Risco. E em Gothika. E em Tudo sobre minha mãe(!). GENTE, sou só eu que vejo isso?... Srsly, teste do sofá que rendeu Oscar, sem precisar nem trabalhar aquele sotaque irritante. Falei.

Dentre os pontos positivos esse ano, estão - claro! - as homenagens póstumas. A da entrega do oscar do Heath me emocionou de verdade, chorei aqui (Brad Pitt também chorou gente... cantei mentalmente "enconsta sua cabecinha" aqui em casa) e foi um prêmio obviamente mais que merecido. Durante o quadro anual tradicional de homenagens, Queen Latiffah chegou pra mostrar que não tem esse apelido à toa, agrediu na voz, na letra, na emoção, no "tô podendo". Me emocionou também.

Kate Winslet, Heath Ledger e Jerry Lewis: NADA MAIS MERECIDO, nem precisa comentar.

Mas pô, em que universo que FOTOGRAFIA, EDIÇÃO FINAL(!) E CANÇÃO ORIGINAL(!²) de Slumdog Millionaire eram os ós-dos-borogodós entre os indicados? (...) E o Minimalismo e perfeccionismo gráfico de "Dark Knight"? E a trilha e a mixagem de som de "Wall-e"?

O que foi isso? Uma tentativa desesperada de provar pro mundo que o Oscar não é e nunca foi (cof) xenófobo? Mas precisava desse exagero? ... Tá, tudo bem, tô pra confessar que a fotografia do filme é de um cuidado quase teatral, mas não acho que bata a de "Benjamin Button".

Controvérsias à parte e sem birra com o filme (que foi - afinal - dirigido pelo Danny Boyle *reverência* e tem um trailler muito do apetecedor), mas o leitor que chegou até aqui há de convir que essa foi a cerimônia mais estranha de todas. Não sei pra onde o Oscar está desembocando, e definitivamente me perdi na metodologia que usaram pra distribuir a premiação desse ano.

Mas confesso, que ouvir minha maior quero-ser-quando-crescer dizer que ensaiava o discurso no chuveiro, com oito aninhos e segurando um vidro de shampoo, definitivamente valeu engolir JAI HOOO como a melhor música do ano.



Kate merecia essa estatueta há 15 anos, quando AGREDIU na interpretação no polêmico Heavenly Creatures ("Almas Gêmeas" aqui no Brasil) dirigido por Peter Jackson.





Até o ano que vem GALERE. (y)
Fiquem com Shiva, e vamo ver qual vai ser a falta de noção da 82ª Cerimônia do Oscar.



JAI HOOO~

2 Digite aqui sua babaquice pessoal!:

Leca disse...

Devo dizer que gostei do Oscar esse ano! :3 Talvez tenha sido pela maestria do Hugh Jackman conduzindo a cena? Talvez pela ótima companhia madrugada adentro reclamando e vibrando a cada premiação merecida (ou não)? Sei lá! Só sei que foi interessante de acompanhar! ;D Mas de fato, a dominação da Índia foi algo muuuito estranho, uma polêmica, algo pra ficar no ar, junto com os ecos de JAI HOOOOO~

heuehuehe obrigada pela companhia, Anna! ;***

ineslampert disse...

Também achei muito doido! O que achei de pior na Penélope foi ela dar o discurso em espanhol, excluindo aqueles que não conheciam a língua. Acho sim que os latinos (ela é latina?) sofrem, mas a língua Inglesa não é sinal de imposição de poder, apenas a língua mundial oficial(ou seja, que todos entendem). Não havia necessidade pra ela ter feito aquilo. Foi muito se julgar inferior... bjs ;)